PUBLICIDADE
Curiosidade

Mãe faz a ceia de Natal em casa, mas cobra 160 reais de cada parente!

A mesa está posta, o champanhe está no gelo e os biscoitos estão perto dos pratos.

Resta os convidados chegarem para o almoço de Natal, onde serão recebidos de braços abertos.

Contanto que eles tenham pago adiantado, isto é. Esta é a realidade das festividades do dia de Natal na casa de Leah Wright este ano.

PUBLICIDADE

Ela convidou 12 pessoas – toda família – para comemorar com ela e seu parceiro, Andrew Fuller, em sua confortável casa no sul de Londres.

Mesmo assim, ela deixou claro que os convidados só podem comparecer se pagarem R$ 60 por casal pelo privilégio.

E se você vier sem um mais um? Que pena.

PUBLICIDADE

A mãe e a irmã de Leahestão participando sem parceiros e ainda devem desembolsar R$ 60 cada.

Não apenas isso, mas Leah insiste em ter o dinheiro adiantado – dinheiro ou transferência bancária diretamente para a conta do casal.

Para fornecer o almoço, ela tem um orçamento de pouco mais de R$ 400.

É uma soma que deixará Leah com um lucro das contribuições de seus convidados e cobrirá os custos do almoço de Natal dela e de Andrew.

E seus convidados nem mesmo receberão uma taça de vinho pela taxa de R$ 60 – eles foram convidados a trazer uma garrafa com eles.

Cherry Bennett (na foto), sua mãe e outros membros da família se revezam para hospedar 13 convidados e sempre pedem o pagamento adiantado

‘Todos estão empregados, todos recebemos garrafas [de vinho] de cortesia nesta época do ano.

Não vejo por que não devemos todos aproveitá-los no almoço de Natal da família’, diz Leah.

A esta altura, muitas pessoas estarão pensando que até mesmo Scrooge pode ter empalidecido em obter lucro fazendo membros da família pagarem por uma refeição caseira para a qual ele os convidou.

No entanto, Leah não está sozinha. Ela é uma entre um número crescente de mulheres que estão solicitando pagamento em troca de receber a família e amigos no dia de Natal.

Boa vontade para todos os homens? Não exatamente, ao que parece.

Mas Leah, de 28 anos, professora primária em licença maternidade, não se arrepende.

Ela diz que simplesmente não consegue ver por que ela deveria ter que suportar o golpe financeiro por alimentar tantas pessoas.

Não que ela esteja exatamente na linha do pão. E é Natal, afinal.

Alguns internautas apoiaram a atitude de Gemma. “Eu não vejo problemas em cobrar e achei a ideia ótima, ai os parentes não precisam se preocupar em cozinhar nada!”, afirmou outra internauta.

PUBLICIDADE
[DISPLAY_ULTIMATE_SOCIAL_ICONS]
Mais Lidas de Curiosidade
PUBLICIDADE